Rio de Janeiro

Desabafo no Rio de Janeiro.

Uma experiência emocionante!

Sou Luciana Fernandes, coordenadora do MOAB RJ, e venho por meio desta fazer um breve resumo do Desabafo MOAB no Município de Belford Roxo.

Quero enfatizar que o primeiro ocorreu no dia 20/12/2017 com a presença da Diretora de Eventos do MOAB Ana Paula Gulias, com a presença de uma mãe, a Coordenadora Estadual (eu) e as Coordenadoras de Belford Roxo e São João de Meriti e profissionais da equipe multidisciplinar da Escola Albert Sabin. Foi um start!

Os frutos desse primeiro momento de desabafo vieram no dia 19/01/2018 com a presença de 45 familiares, incluindo a presença de um pai. Fato raro! Mas, esse paradigma será quebrado assim como os demais. O que dizer sobre esse momento?

Sublime! Sentimos ali, que a fala de cada uma das pessoas presentes foi ouvida pela primeira vez. Muito choro, muita angustia, mas muita garra. O desejo em ver os filhos atingirem melhoras, através de um atendimento público de qualidade.

O Desabafo foi realizado em um Município da Baixada Fluminense. Onde existe muita carência de recursos econômicos na população e onde projetos são raros – não escassos – mas, raros mesmo. Enfim, o cenário foi composto por mães que estavam perdidas.

“Eu vim em busca de respostas. O que vocês podem fazer por mim e minha filha”

“Eu vim em busca de respostas. O que vocês podem fazer por mim e minha filha”

“Eu vim em busca de respostas. O que vocês podem fazer por mim e minha filha”

Mãe de uma menina de 5 anos TEA não verbal – sem atendimento – apenas estuda.

Mãe de uma menina de 5 anos TEA não verbal – sem atendimento – apenas estuda.

Mãe de uma menina de 5 anos TEA não verbal – sem atendimento – apenas estuda.

“Meu filho, não flava, não ficava de quatro apoios, não me olhava. Vi que era diferente. Nosso mundo desmoronou no momento do diagnóstico. Mas, o médico agiu de uma forma tão diferente. Ele se sentou no chão com nosso filho e começou a interagir com ele. No final de 20 minutos. Ele nos disse o filho de vocês é autista. Chorei muito. Ele me olhou e disse: mãe, ser autista é uma condição a qual seu filho terá de lidar ao longo da vida. Vamos ver daqui para frente o que pode ser feito para que ele fique bem. Essas palavras me ajudaram”

Mãe de um menino de 6 anos com TEA.

“E quando o nosso filho regredir. O que fazer?”

“E quando o nosso filho regredir. O que fazer?”

Relato de uma mãe, cujo filho não

aceita mais ir à escola.

Relato de uma mãe, cujo filho não

aceita mais ir à escola.

“Eu tenho esclarecimento. Sou pedagoga. Fui fazer psicopegagogia para ajudar ao meu sobrinho”

“Eu tenho esclarecimento. Sou pedagoga. Fui fazer psicopegagogia para ajudar ao meu sobrinho”

Tia de um menino de 5 anos TEA.

A tia é aluna da pós na Faculdade Unyleya.

“Seu filho é autista. Foi assim que recebi o diagnóstico. “Sem preparo, sem afeto, sem empatia” ”

Mãe de um filho com TEA de 8 anos e

professora da rede pública de ensino.

“Hoje vejo, essa realidade em minha sala de aula. A cada dia um novo aluno com autismo. Mas, o que fazer? Qual o treinamento que nós recebemos? Tudo fica solto”

“ 'Desculpa, seu maluco'. Essa era a fala do meu filho, quando fazia algo em casa. A ecolalia era na verdade a fala dos “colegas” da escola."

“Tenho 2 filhas lindas. Ambas com autismo. Nunca permiti me confinar dentro de casa. Sempre disse ao meu marido, nossas filhas têm direito ao convívio social. Não são criminosas. Autismo não é uma vergonha. Eu me orgulho das filhas que temos”

Mãe de duas filhas adolescentes com TEA.

Essas são algumas das falas de várias. Foi único, emocionante e essas 45 pessoas saíram do nosso encontro renovadas. O desabafo do dia 19/12/2018 ocorreu na Escola Municipal Albert Sabin – com representantes da área de saúde do município, profissionais de escolas e os profissionais do Albert Sabin. Tivemos um total de 60 pessoas participando. 45 delas familiares.

Ao sair, um funcionário da Escola me disse: “Foi bom o que houve aqui hoje! Perguntei: que bom, mas por que diz isso? Porque não teve uma mãe que não saísse da sala sorrindo.”

Sensação de plenitude de todas nós, envolvidas no resgate do MOAB RJ e suas ações afirmativas. Só tenho agradecimentos!!!

 

Seguimos adiante. Mais ação, mais militância, mais consciência. Estamos iniciando e passo a passo será construída uma face para o MOAB no RJ, mas para além... Uma construção da identidade das pessoas com TEA e suas famílias. Ninguém é uma ilha. A luta se faz com união!

Afetivamente,

Luciana Fernandes

Coordenadora Estadual MOAB Rio de Janeiro 

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Coordenação do MOAB em Angra dos Reis 

“Um mediador é uma pessoa que trabalha interagindo com o aprendiz estimulando suas funções cognitivas, organizando o pensamento e melhorando processos de aprendizagem.”

Feurstein

Em Angra dos Reis, nessa sexta-feira (10/11), a Comissão Divulgadora do Autismo (CDA) / Movimento Orgulho Autista Brasil (MOAB) – realizou a palestra “Educação Inclusiva em Foco I – Mediação Escolar: formação e capacitação do mediador”, cujas abordagens foram ponderadas pelos especialistas: Dayse Serra (Professora adjunta de Educação Especial e Inclusiva de Educação da Universidade Federal Fluminense; Doutora em Psicologia pela PUC-RIO; Mestre em Educação Especial pela UERJ e Psicopedagoga especializada em necessidades educacionais especiais; Pesquisadora associada do LIPIS), Márcia Eleotério (Pedagoga e Psicopedagoga-UFF e docente da rede municipal de Angra dos Reis especialista em TEA) e Thales Veras (Monitor de Educação Especial).

 

Embora a profissão ainda não seja regulamentada, a temática é considerada fator crucial para a inclusão das pessoas com deficiência de modo geral e dos autistas, conforme diversas disposições legais.

 

Sendo assim, o momento foi apresentado teoricamente pela especialista: Dayse Serra e na prática pelos especialistas: Márcia Eleotério e Thales Veras, ambos do Atendimento Educacional Especializado – Unidade de Trabalho Diferenciado/TEA -.

Coordenação do MOAB em Angra dos Reis realiza audiência pública e passeata em comemoração ao

DIA NACIONAL DE LUTA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

O MOAB e a Associação de Pais e Amigos do Transtorno do Espectro Autista – APATEA - realizaram, no dia 21 de setembro, em Angra dos Reis, passeata referente ao Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, participando conjuntamente também o Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência – CMDPD -, a Educação Especial e as representações civis (associações) relacionadas à causa.

Os manifestantes percorreram a rua principal do município, ao som de Gonzaguinha: “O que é, O que é” e apresentaram cartazes cujas mensagens destacavam suas dificuldades diárias vividas.

O momento foi encerrado na praça principal, onde havia stands e barracas, organizados pela Secretaria de Ação Social, onde foram expostos trabalhos realizados pelas pessoas com necessidades educacionais especiais criados nos Atendimentos Educacionais Especializados – AEE – e nas representações civis – (associações).

Além disso, houve distribuição do manual referente à Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência e Lei Brasileira de Inclusão/2017.

Já no dia 22 de setembro, ocorreu, na Câmara Municipal de Angra dos Reis, uma audiência pública relacionada aos temas Mediação Escolar: falta de mediadores na rede pública municipal de ensino e Passe Livre: impasses quanto ao uso.

Ela durou cerca de três horas e meia, tendo sido ministrada pelo vereador Marcos Coelho e decorrida pela participação das famílias, que representaram dando voz aos seus filhos. Além desses, participaram também: representantes do governo, dos órgãos relacionados, representações civis e conselheiros do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (CMDPD).

As abordagens foram bastante pertinentes, pois a rede pública municipal de ensino está com o quadro de profissionais (mediadores) defasado, em face ao número de estudantes inclusos.

Em relação ao Passe Livre, o impasse se faz devido aos responsáveis não estarem recebendo o cartão acompanhante, transgredindo legislação municipal.

Assim, a primeira audiência pública tratada sobre autismo no município foi considerada muito importante, pois proporcionou conhecimento e necessidades sobre o autismo e sobre outras deficiências, resultando, assim, nas propostas: Mediação Escolar: organização da contratação, mediante análise do orçamento municipal, e Passe Livre: encaminhamento para a Comissão da Pessoa com Deficiência da Câmara de Vereadores, a qual o vereador Marcos Coelho também é membro.

Parabéns à nossa Coordenadora Esther Souza por seu engajamento em prol dos autistas!

Homenagem em comemoração ao dia das Mães

O Dia das Mães foi comemorado de forma diferente em Volta Redonda.

 

A Associação Dos Engenheiros e Arquitetos de Volta Redonda (AEVR) homenageou a Coordenadora Estadual do Rio de Janeiro, Claudia Moraes, por seu trabalho em prol dos autistas e por seu trabalho no MOAB. 

 

Estavam presentes mulheres especiais que se destacam em vários segmentos entre elas a Secretária da Mulher de Colta Redonda, Dayse Penna, e a Sra Eliana Itaborahy da Creche Espírita Irmã Zilá. Também esteve presente a Coordenadora do MOAB em Volta Redonda, Liê Ribeiro.

Claudia Moraes recebeu a homenagem da Diretora da Mulher, Alcione Gonçalves Silva.

Reunião entre o MOAB, a CDA, e

o CAPSI/Angra dos Reis sobre o BPC

Devido às mudanças impostas ao BPC pelo  Decreto nº 8.805/16 e pela Ação Civil Pública/2016,  a Comissão Divulgadora do Autismo (CDA), o Centro de Atenção Psicossocial  Infanto-Juvenil (CAPSI/Angra dos Reis) e o Movimento Orgulho Autista do Brasil (MOAB) organizaram uma reunião junto às famílias beneficiárias do BPC/Bolsa Família para esclarecimentos dos temas citados.


Entre outros assuntos, foram abordados os seguintes temas: alteração no requerimento, concessão e manutenção do BPC impostas pelo Decreto e ACP/2016 acima mencionados e a obrigatoriedade do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) de todos do grupo familiar para requerimento do BPC.


Desse modo, toda a temática foi proporcionada pelas assistente social: Betânia (agência do inss/Angra dos Reis), Ana Maria e Elenita (Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil/CAPSI-Angra dos Reis), Adriana (CRAS/Belém-Angra dos Reis) e Renan (Coordenador do Bolsa Família/Angra dos Reis).