Sessão Solene na Câmara Legislativa

Há no DF uma demanda crescente por atendimento e tratamento especializados em autismo.

 

Este foi um dos aspectos discutidos pelos participantes da solenidade em comemoração ao Dia do Orgulho Autista nesta segunda-feira (19) no plenário. O autor da homenagem, deputado Robério Negreiros (PSDB), destacou que existem cerca de dois milhões de pessoas com transtorno autista no País, sendo 13 mil no DF. Para atender à demanda por tratamento especializado, o parlamentar sugeriu a criação de uma clínica-escola voltada aos autistas. E se dispôs a apresentar emenda ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias de 2018 (PL nº 1.569/16), em tramitação na Câmara Legislativa neste mês, para destinar recursos à construção da clínica.

 

A necessidade de uma clínica multidisciplinar e especializada em autismo foi defendida pela diretora de ensino especial do Movimento Orgulho Autista Brasil (MOAB), Viviani Guimarães. "Hoje os pais recebem o diagnóstico que o filho tem autismo e não sabem o que fazer, para onde ir; a clínica pode ser um ponto de partida", disse. Mas é necessário que "as políticas públicas saiam do papel", complementou.

 

Existem cerca de 350 crianças e adolescentes em lista de espera no Serviço Especializado em Alterações do Desenvolvimento Infantil do Centro Educacional de Audição e Linguagem Luduvico Pavoni (CEAL-LP), segundo a coordenadora da área, Edinizis Belusi. Ela defendeu a urgente ampliação da capacidade de atendimento no CEAL, que atualmente trabalha na reabilitação de 160 crianças e adolescentes com diversos graus de autismo. Nesse sentido, a advogada Adriana Monteiro, presidente da Comissão sobre Autismo da OAB, sugeriu parceria entre a MOAB e o CEAL.

 

Depoimentos – A importância do diagnóstico precoce foi a tônica da fala do estudante Bernardo Martinez, 16 anos, diagnosticado com autismo quando tinha um ano e 11 meses. "Recebi tratamento em Porto Alegre, onde morava, e hoje tiro boas notas, tenho boa relação com amigos e familiares, e tenho planos para o futuro. Agradeço por tudo e espero que outras pessoas também recebam tratamento digno e de boa qualidade", declarou.

 

Processo inverso ocorreu com a servidora pública Silene Santana, 33 anos, diagnosticada com síndrome de Asperger – condição neurológica do espectro autista - tardiamente. "O diagnóstico tira um peso muito grande quando se é diferente". Segundo Silente, graças à família, hoje ela tem um emprego e sabe se expressar. "A coisa que os autistas querem é respeito à neurodiversidade", argumentou.

Também participaram da solenidade o presidente do MOAB, Fernando Cotta, e a idealizadora do projeto inclusivo "Estou no Jogo", Claudia Chabalgoity

http://www.cl.df.gov.br/ultimas-noticias

Movimento Orgulho Autista Brasil

  • w-facebook